31 março 2009

Verdade e Contradição





Auto-retrato#022a




Penso que digo o que penso
quando penso aquilo que digo.
Quando não,
não digo o que penso,
somente digo o que não penso.


Quando penso o que digo e não digo
não digo o que penso
porque o que não digo
devo-o ao pensamento
e não à palavra.


Minto sempre que não penso.
Minto sempre que penso e não digo.
Minto sempre que não penso e digo.
Minto sempre que não digo o que penso.


PENSAMENTO                   PALAVRA                 VERDADE


Eu sou a verdade quando penso.
Eu sou a verdade quando digo o que penso.
Eu sou a verdade quando digo a verdade.


A verdade do pensamento traduz-se na palavra
E é no pensamento que a palavra busca a sua verdade.





Page copy protected against web site content infringement by Copyscape 


30 março 2009

Lembro um céu...





Lembro um céu...



Absorto
de olhar pendurado nos ramos
lembro um céu:
azul e brilhante
com sonhos amadurecidos:
de asas brancas nos braços de um grande sol.


Se escondia
vermelho de ternura
rubro de imensidão
e se punha para lá dos rios e dos dias quentes:
entre nós e a noite mágica de desejos transparente.


E a felicidade era já ali…



Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

25 março 2009

Penetrar inspirada sem tradução




Penetrar inspirada sem tradução




Penetras inspirada de olhar debruçado e horizonte desértico do cerne da imaginação poética

buscando lá longe um brilhozinho de lua cheia
e alma plena e buscas... 

Para lá dessa janela existe um sonho a que te afeiçoas
talvez o persigas de alma intraduzível e
sonho secretamente guardado no baú do tempo...

Solta-te ainda mais e busca o que procuras que - quem sabe? - um dia as pessoas usem da mesma linguagem sem necessidade de tradução para amar...




Page copy protected against web site content infringement by Copyscape




Do Islão (Egipto)





Desconfia de ti próprio naquilo em que te sintas mais confiante



Desconfia de ti próprio
naquilo em que te sintas mais confiante




Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

24 março 2009

O Pintor, a Música, a Poesia ou Van Gogh, Pink Floyd Eu & Tu…





O Pintor, a Música, a Poesia...



Numa folha em branco onde tento a escrita
poisa a música suavíssima
dulcíssima melodia que se me entranha.
Van Gogh nesta noite de solidão esculpida
e as frases já feitas: 


L’amitié vraie,
C’est comme la mer.
Elle s’en va,
S’en revient,
Mais elle est
Toujours là.



Tento um céu - de muitas, enormes estrelas ainda
e a doce música - de azul encantado…
Le Café, le Soir
e revejo, na sobriedade de algumas mesas vazias
o vazio de que sou parte.
Há gente na rua ainda, distante.
Distante
entre o fraseado simples da guitarra
e o fracasso
ligados  ao meu corpo incandescente.





Mesmo defronte das janelas
verdes janelas
de par em par abertas
a árvore.
Também ela de verde despida
se agitando a uma brisa soturnamente suave.


E as pessoas se entrecruzam:
são meus passos que oiço – não os daqueles
que por mim se passeiam vagueando.
Algumas mesas continuam lá
de desleixo, atiradas a um canto e
vazias.
Sobretudo mesas vazias à espera
que nos sentemos para um café na esplanada da noite terna.



A noite transmite aos prédios circundantes
do outro lado da rua
tons [azuladamente] quentes
aqueles que desejaríamos possuir entre nossos dedos.
O amarelo da parede como que nos atraiçoa o olhar
entre nós distante. 





Não tenhas medo!
Sentemo-nos nas cadeiras de uma qualquer mesa vazia
e docemente esperemos que a madrugada nos venha buscar
em seus horizontes húmida.
Não sejam estas estrelas tão distantes
quanto brilhantes.
Podemos possuí-las longamente
sem que nos levantemos da mesa de ferro.


A luz [amareladamente] gasta pelo tempo
deixa-te com um ar pálido
entrevendo-se uma beleza singular que existe nesse teu rosto
- que só eu vejo -
de esperas tranquilo.
Simulacro de desejos
e sonhos antigos.


Amo-te assim
nesta música que me tolhe o movimento
desta pintura onde me escondo
na sensação de te possuir sem te ter.
Elle s’en va,
S’en revient.


Mesmo que todos partam…
Mesmo que todas as janelas se nos fechem…
E as luzes se apaguem…
Mesmo que seja a hora do café a fechar
… elle est
Toujours là.


[How I Wish You Where Here…!]



IMAGENS:
Capa do álbum Wish You Were Where de Pink Floyd
Reprodução de Le Cafe, Le Soir de Vincent Van Gogh


Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

23 março 2009

Ardência




Ardência (Nostalgia de um Verão#044)






Na ardência de um desejo


assim azul num oceano que invade


cobrindo de beijos a relva adjacente


ouve-se apenas um murmúrio surdo e pertinente


nessa espera apoquentada.






É o grito sussurrado


e avassalador do desejo que arde


do sonho da árvore que se quer orvalhada...




  Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

 

22 março 2009

Da Surda Espera





014 - Manequim




Sejam talvez estes os dias
da surda espera
sentida nas palavras caladas
na dádiva sem entrega ainda.
Seja talvez este o tempo…
- uma espera em surdina -
apenas murmúrios no chão de nossos pés.



De ouvido colado
rente à relva
perscruto num bater de corações
nossos passos próximos.



Neste vespertino silêncio
de cinema cheio
e vazio à volta
a ternura desencalhou  de mim
cheia e à solta fez-se ao mar
- alto e revolto -
desfazendo-se nas brumas
da tela…

  



Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


19 março 2009

Que mais pode desejar um pai ?!

 

 

 

Dia do Pai 2009 #02 

Dia do Pai 2009 #01

Dia do Pai, 19 de Março de 2009

 

Pai,

Sei que fazes tudo por mim e que eu sou, às vezes, uma chata.

Gosto quando todas as noites, antes de adormecer, me vens dar um beijinho de boa-noite e rezas comigo.

Gosto quando ando de bicicleta contigo, quando me preparas o pequeno-almoço, quando vais ao supermercado, quando me dobras a roupa e quando reclamas comigo quando eu tiro as sapatilhas, sem desapertar os cordões, e dizes que estou a ficar igual à Inês.

Quando a Inês não está, gosto quando dormes comigo e quando acordo com o teu despertador e com o avô a dizer:

- “Zé, levanta-te que já são horas!”

Obrigada por tudo e obrigada por me teres “ajudado” a fazer o castelo para o trabalho de História.

Espero que tenhas um dia muito feliz e muito especial.

Tenho muito orgulho em ti, papitcho.

Beijinhos ENORMES da tua filha que te adora muito, muito, muito, muito.

 

Helena

 

 

Tu és:

Pai

Papá

Papá Zé

Papitcho

Engenhoca

Organizado

Responsável

 

Ah! E gosto do teu perfume.

 

 

   Dia do Pai 2009 #04

 

 

Dia do Pai 2009 #03

Quando aquela menina de 12 anos entregou, em local público, a sua carta manuscrita, ninguém se admirou com as gotículas que, timidamente, pendiam dos olhos daquele pai.

Todos perceberam que só podiam ser lágrimas de felicidade…!

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

18 março 2009

Nas tuas mãos abertas

 

 

 

Nas tuas mãos abertas #01

 

 

Nasceste do fundo das  tristes tardes

frias de um mentiroso verão

como um raio quente de luz inundando,

o gelo quebrando,

o  meu corpo.

Tudo se esvaiu e fluiu,

fluiu e floriu.

 

 

Amei-te, então, nos gestos,

nas conversas longas em fim de tarde.

Em tuas mãos abertas

me seguravas os desejos,

nelas depositando tímidos  sorrisos.

(E gaivotas vinham brincar em meus dedos…)

 

 

 

Nas tuas mãos abertas #02

Hoje o Amor nasce da vontade que em mim sobreviveu

náufraga,

da magia das palavras não ditas,

da aventura dos gestos por sentir,

da alegria de pés descalços no caminho,

do sorriso ténue.

 

 

Da ainda verde persistente doação.

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Do Islão (Curdistão)




O homem é o espelho do homem



O homem é o espelho do homem



Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
  

17 março 2009

Gravura de Azul

Existe no azul marinho da gravura

um azul infinito de mar,

salpicado de pequenas longas ilhas,

cor da terra molhada.

A cor das marés é azul carregado e

fundido ao longe com a cor clara

do azul das manhãs do estio.

Gravura de Azul

No limite da imaginável linha de horizonte,

um inimaginável destino

onde o azul das marés é cor carregada,

o azul claro das manhãs do estio abraçado

ao branco azulado de um céu

- a óleo pintado –

de azul.

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Do Islão (Marrocos)

  


O coração é um guia que os pés seguem (Por este caminho adiante...#036)



O coração é um guia que os pés seguem




Page copy protected against web site content infringement by Copyscape