02 novembro 2008

Inexistente noite branda





Se ao entrar em tua casa
fechadas as portas
pendurada nos meus beijos
todo o mundo lá fora deixasse de existir…


Apenas a chuva na vidraça
Intermitente
e a nossa paixão
incólume…


Apenas os corpos apetecidos
levemente vislumbrados…


Húmidos de suor e de querer
envoltos num mundo inexistente assim
te amo ao cair
da noite branda…!



Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Sem comentários: