08 outubro 2008

Um vento...




Um vento, varrendo a praia, me trespassa o corpo
Fazendo gelar meu coração.
Um doce marulhar, tranquilo, me desperta os sentidos.
Olho, cheiro, oiço e sinto…
Sinto-o bem perto de mim, no fundo do meu espírito.
E fica a nostalgia…




Oh…
Desejo ardente de ser fogo, queimando!
O sentir tua respiração leve e calma no meu rosto
Tuas mãos percorrendo meu corpo, ansiosas
E tua boca mordendo
Sorrindo…
Teus dedos brincando
Teu olhar sereno e límpido no meu
Penetrando…
De um sopro só por despir esse corpo maravilhoso eu morro!




Ah… esse calor de mulher, escaldando…!
Mordê-lo… rasgá-lo…
Num frenesim danado…
Como cão lambendo a ferida assim serei eu
Beijando esse jovem corpo de neve.
E o prazer desse seu cheiro doce e feminino eu quero
Bem fundo…
Dessa tua boca quero sentir correr como de uma fonte fresca
Esse suco delicioso que só tu possuis!




E um só desejo me assalta, traiçoeiro…
Num só gesto possuir teu corpo contra o meu
Apertando…
E docemente esperar…
Esperar…
A Primavera em flor sentindo-a chegar
E o gozar desses dois seres vagabundos nesta loucura de ser fogo
Ser água
De ser sol, ser lua
De ser vento, ser chuva.



Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

1 comentário:

nina disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.