20 abril 2008

O Rochedo



Colhi-te no fim de uma tarde de Outono
Perdido num campo de girassóis lá no fundo
No sul do Alentejo
Junto à costa
Onde a espuma do mar me enche de névoa
Afastando de mim o sobressalto
Dos dias sombrios…

Esculpo-te na rocha
As tuas feições
Sentado na areia
(movediça, outrora)
Invento-te um rosto
Serenamente
Com as palmas das minhas mãos
Vazias
Na penumbra dos meus dedos
Teço e desfaço o que a natureza em bruto erigiu…

Moldo-te com esta brisa de entardecer
No silêncio das águas
No porvir da noite serena e tranquila
Em que navegarei…

Construo o teu rosto esculpindo na pedra
Da minha essência
Desfazendo em ternura
Com as mãos já calejadas
Vazias
E plenas…

O que te ofereço, genuíno
Sou apenas eu
O amor tranquilo
A paixão absurda
Os dias claros
E as noites…

E admiro-te assim nessa quietude incerta
Nas páginas escrita
Esculpida no rochedo
Coberta pela espuma das águas
Dos dias
De mim…



Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Sem comentários: