20 março 2008

Esse Tempo...



Sou daquele tempo
Em que as esperas
Se faziam longas
E tranquilas
E o verão era eterno
(Ou achava que sim…)


Com os dedos entrelaçados
Passeávamos pelas tardes infinitas
Envoltos numa cúmplice mudez
Sorvíamos o entardecer…
(E já era hora de voltar!)


Revolvia-te os cabelos
E num beijo demorado
Nos despedíamos
Num lânguido adeus…
(Até ao dia seguinte)


E os dias somavam-se
Incólumes…


O nosso sonho desfazia-se em carícias


Pelo teu corpo naveguei
Ávido de te querer
Consumido em mil desejos
No olhar do teu rosto


Dentro desse beijo
De olhos abertos
Teu corpo extinguia-se no meu
Ardente
Num abraço perpétuo


(Sabes…
Sou agora e ainda desse tempo…!)

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Sem comentários: